O menino e a môsca.

I

Esta história é de um rei tirano
Que gostava de usar seu poder
Seus soldados prendiam os coitados
Que às vêzes roubava  pra sobreviver.
Quando o rei era comunicado
Mandava o carrasco cumprir seu dever
Alí era só mais um coitado
Sendo executado
Por puro prazer.

II

Um dia o rei estava na piscina
Vendo o filho brincar no relento
Viu o filho pegar uma môsca
Que se afogava naquele momento.
Retirando  a    môsca da água
O rei observa seu comportamento
Preocupado o menino sem medo
A ergueu no dedo
Pra secá-la ao vento.

III

E o rei que estava por perto
Muito atento e observando
A môsca no dedo do filho
E as asinhas aos pouco secando
O menino muito apreensivo
Com o dedo no alto ficava olhando
De repente pulou de alegria
Ao ver que a mosquinha
Saira voando.
IV

O rei foi se aproximando
E ao filho pôs-se a falar
Porque você não a matou
Ao invés de deixar a mosquinha voar
O menino então respondeu
Se eu não a matei, porém vou te explicar
Por que a vida é uma coisa de Deus
Só a Ele quem deu
É quem pode tirar.

V

O menino ainda falou
Nesta terra Deus nos deu a vida
Só a ele é quem cabe tirá-la
Como a da môsca que estava perdida
Se ela fosse um pai de dez filhos
Ou um filho que cuida da mamãe querida
Se a matasse ou deixasse morrer
Mais   ía entristecer
Esta terra sofrida.

VI

O rei quando ouviu aquilo
Bem de pressa  chamou o sultão
Vá correndo e avise o carrasco
Que está suspenso a decapitação
De hoje em diante ninguém será morto
Seja criminoso, perverso ou ladrão
Levem todos pra serem julgados
E em sendo culpados
Ponha-os na prisão.

II