Amargo passado.

I

Quem passou lá no meu sítio
Com certeza tem notado
Lá em casa na parede
Um diploma pendurado
Minha única relíquia
Que eu trago bem guardado
É a última lembrança
Que tenho do meu passado
Todos pensam bem ligeiro
Como pode um roceiro
Ser também doutor formado

II

Na verdade fui nascido
Na capital deste Estado
Estudando e trabalhando
Me tornei colegiado
E com vinte e poucos anos
Eu já era advogado
Os meus pais com o diploma
Se sentiam muito honrados
Vejam só que desatino
Como obra do destino
Que me havia reservado.

III

Meus pais trabalhavam fora
Quase mal remunerado
Pra ajudar nos meus estudos
Até ser advogado
Porém quando me formei
Chamei os meus pais de um lado
Todos os seus sacrifícios
Vão ser bem recompensados
De hoje em diante oh meus pais
Vocês não trabalham mais
Pois ganho um bom ordenado.

IV

Eu montei meu escritório
Pra cumprir com meu legado
Os meus pais ficavam em casa
Descançando sossegados
Mas tive um dia maldito
Quando fui comunicado
Que ladrões entraram em casa
Quando eu tinha me ausentado
Me falaram de repente
Seus pais foram cruelmente
Por eles assassinados.

V

Sem vontade de viver
Fiquei desorientado
Vim morar no interior
Num lugar bem afastado
E abandonei a carreira
Quando era advogao
Hoje estou fazendo tudo
Pra esquecer o meu passado
Só rezo pelo meus pais
E acendo meus castiçais
Amargando o meu passado.