Saudade da roça

I

Me criei na roça
Já fui camarada
E achava gozada
A vida rural
Junto da família
E da minha gente
Vivia contente
Era tão normal
Com tanta fartura
Frangos no terreiro
Porcos no chiqueiro
E   gado no curral                                       xggxxggx
Entre a natureza
Que eram as matas
Vales e cascatas
Desde o quintal.
Mas quiz o destino
Que sempre me guia
Que eu deixasse um dia
A casa dos meus pais
Pra vir na Metrópole
Tentar a sorte
Buscando ser forte
Vi que era capaz
Trabalhando muito
Tornei-me empresário
Pois pelo contrário
Sempre fui audaz
Mas mesmo contudo
O que eu sinto é saudade
Aqui na cidade
Estou sem ideais.

II

Nesta capital
Num apartamento
Jamais me contento
Em ver televisão
Se leio os jornais
Só se fala em crítica
Guerra e política
E poluição
Então me recordo
Com muita saudade
Me dá uma vontade
Em rever meu sertão
Longe da família
O meu corpo padece
Pois lá permanece
O meu coração.
Das tardes festivas
E as noites tão lindas
Porém eu ainda
Tão pouco esqueci
Voltarei em breve
Ao primeiro ensejo
E matar o desejo
De ficar aí
Rever a família
Que conta proezas
A maior riqueza
Que eu ja conheci
E abraçar meus pais
Com muita alegria
Onde tudo um dia
Começou ali.