Maravilhas da infância

I

Se eu pudesse
Voltar a ser criança
E estar em plena infância
Brincando no jardim.
(Que maravilha
(Eu abraçava sem malícia
( A Verinha e a Patrícia
(Que sentavam junto a mim.

Estribilho)

Quero voltar
A ser criança
Para poder
Abraçar alguém.
As coleguinhas
Da minha infância
Sentem saudade
De mim também.

II

Lá no coreto
A banda ía tocando
Nós pulavamos dançando
E eu puxava o cordão.
Que maravilha
(Minha infância querida
(Eu abraçava a Margarida
(E a Glorinha no portão.

Era amor

I

Por amor
Que eu um dia beijei você
Tanto amor
Que eu não pude conter
Este amor
Amor de tantos invernos
Que juramos ser eterno
Alguém mandou prôs infernos
Culpando eu e você.

(Estribilho)

(Era amor
(Porém ninguém acredita em mim
(Destruindo o nosso amor
(Entre nos pôs um fim.

II

Por amor
Que os meus lábios tocaram aos seus
Tanto amor
Não sei como aconteceu
Este amor
De esperanças vividas
Pra amarmos por toda vida
Alguém ficou pê da vida
Culpando você e eu.

(Estribilho)

Seresteiro

I

Seresteiro, que passa noites se dormir
Junto a janela, canta para alguém ouvir
Lindas canções, com sua voz embevecida
Pra despertar, a sua bela adormecida.

II

Seresteiro, Que ama a noite e o luar
Com seu violão, passa horas a tocar
As melodias, em tom menor bem copassado
Pra despertar, um coração apaixonado.

III

Seresteiro, o senhor das madrugadas
Companheiro, do luar e das neblinas
Altas horas pela rua enluarada
Ele canta nas janelas, nas esquinas
Sempre e sempre ele faz suas jornadas
Cantando e tocando violão
Seresteiro, das madrugada
Fez do luar uma canção.

A rosa.

I

Foi então
Que aprendi a dizer, amor
Ninguém sabe
Mas eu já sei por quê.
Foi a minha
Vivência com você.
Mas enfin, aprendi.

II

A rosa que você me cobrou
A  lembranção que você recordou
Foi cobrançã
Mas também foi lenbrança
De um tempo que passou.

Tristeza que mata

I

Tenho uma tristeza que me mata
Por isso dói, dói meu coração.
Ao lembrar daquela serenata
Que eu tropecei
e quebrei meu violão.
Ai, meu Deus.

II

Meu violão,
Companheiro
De estimação.
E prô meu bem
Não cantei
Nem mais
Uma canção.
Ai, meu Deus.

Amor, faz comigo.

I

Amor, faz comigo
Aquilo que ninguém fez
Com você
Amor, faz comigo
Eu quero mais que dobrar
Seu prazer.
Ai…amor,amor,
Você tem aquela flor
Perfumosa como quê
Eu,
Amo tanto essa florzinha
Sei que ela vai ser minha
um beija-flor quero ser.
(Minha linda idolatrada
(Minha amante, minha amada
(Você é meu bem qurer.

Amor demais

I

Tenho amor
Amor de mais enfim
Amor dentro de mim.
Eu juro ser eterno
E sempre eterno
Só por você.

II

Tenho amor
Amor de mais pra dar
Você vai me entregar
E ainda nos meus braços
Num longo abraço
Vai compreender.

III

Que eu adoro
Sua boca , seus sorrisos
Seu amor, é o paraíso
Que me cerca de desejos.
Que eu só espero
Nossos ólhos se fechando
E os seus lábios procurando
Junto aos meus
O mesmo beijo.

Pensando bem

 

Pensando bem
Você não vai embora
Se você for
Meu amor
Coração chora.
Não vá embora e nem me deixe
Este samba
Nos dois vamos dançar
Meu amor nem se queixe
Deixe o amor nos levar.

II

(Não vá embora
(Não me deixe assim,
(Coração chora
(Se ficar sozinho aqui.

No fim ele fica

I

O sonho do Ademar
É  casar com uma mulher rica
No fim ele fica, no fim ele fica.
Tá ficando corôa
E logo a canela estica
No fim ele fica, no fim ele fica.

II

Não é de hoje
Que procura uma ricaça
Mas seu grande desejo
De sonhos já não passa
Só por isso
Tudo isso não se explica
No fim ele fica, no fim ele fica
E fica, fica
E fica, fica.

Como Quero.

I

Eu sei
Que foi tão fácil amar,
Você
Com seu jeito de ser
Porque  foi tão lindo,
O nosso amor,meu amor
Tão bom
Que eu não consigo esquecer.

II

Um dia
Você partiu e me deixou,
Tão só
Muito triste a esperar.
Hoje eu quero reviver
Nossos momentos de amor
Pra novamente
Te abraçar e te beijar.

(Estribilho)

Eu quero como quero, meu amor
Você de volta para mim
O grande amor que nós vivemos
Foi tão lindo,
Não pode acabar assim.
Eu quero ter você, só você
Bem perto do meu coração
Espero amor tê-la novamente
Me apague o fogo da paixão.