Maravilhas da infância

I

Se eu pudesse
Voltar a ser criança
E estar em plena infância
Brincando no jardim.
(Que maravilha
(Eu abraçava sem malícia
( A Verinha e a Patrícia
(Que sentavam junto a mim.

Estribilho)

Quero voltar
A ser criança
Para poder
Abraçar alguém.
As coleguinhas
Da minha infância
Sentem saudade
De mim também.

II

Lá no coreto
A banda ía tocando
Nós pulavamos dançando
E eu puxava o cordão.
Que maravilha
(Minha infância querida
(Eu abraçava a Margarida
(E a Glorinha no portão.

Primeira Maravilha

I

Pereiras,
Aqui deixo escrito,
Tudo o quê… só tu tens.
Este nome tão bonito,
É a terra, o céu, o além.

II

Pereiras,
Das tardes de festas,
Das noites enluaradas.
Também das belas serestsas,
Que encantam as madrugadas.

III

Pereiras,
Das manhãs serenas,
Dos dias de sol e calor.
Cidade por si tão pequena,
De um povo tão grande em amor.

IV

Pereiras,
Das mil emoções,
Dos bailes de carnavais.
E das grandes prossissões,
Das festas tradicionais.

V

Pereiras,
Um dia um poeta,
Deste… tipo sonhador.
Pensando em frases discretas,
Assim disse com louvor.

VI

Pereiras,
O seu nome brilha,
Por quê?  Tu chamas Pereiras.
Entre as sete maravilhas,
Do mundo, tu és a primeira.

VII

Pereiras,
Deus fêz o poeta,
Que ao pensar em ti, escreveu.
Estas frases tão diletas,
Por quê?  O poeta sou eu!!!

Autor:
Apolinário P. de O. Fº.(Narico)
————————————————————————————————–